O que é o Arduino? O que podemos fazer com ele?

Talvez você já tenha ouvido falar sobre essa plaquinha em algum lugar ou até mesmo usou algo que foi projetado nela, mas sempre ficou um pouco confuso. Vamos falar agora de uma figura muito conhecida por aí: a plataforma Arduino.

O que é o Arduino?

Muitas pessoas acham que começar a mexer com eletrônica, seja por hobby ou até mesmo profissionalmente, é algo extremamente complexo, mas na verdade, não é. Se você curte tecnologia, principalmente quando estamos falando de hardware e sistemas embarcados, com certeza já ouviu falar nas placas Arduino. Essa é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre, criada para inventores, focada em ser fácil de usar e de aprender.

Fizemos um vídeo para você saber mais sobre a plataforma Arduino:

O Arduino foi criado na Itália, em 2005, por um grupo de 5 pesquisadores: Massimo Banzi, David Cuartielles, Tom Igoe, Gianluca Martino e David Mellis. O objetivo era elaborar um dispositivo que fosse ao mesmo tempo barato, funcional e fácil de programar, tornando-se acessível a estudantes e projetistas amadores.

A equipe principal do Arduino [a partir da esquerda] – David Cuartielles, Gianluca Martino, Tom Igoe, David Mellis e Massimo Banzi – se reúnem na Maker Faire na cidade de Nova York.

Naquela época, desenvolver projetos eletrônicos era algo extremamente complexo e caro. A ideia era chegar a um custo de no máximo 30 dólares. Isso era o mesmo que sair para comer uma pizza naquela época.

As primeiras placas para plataforma Arduino iniciaram com comunicação serial e componentes discretos e eram vendidas desmontadas em kits ou apenas a PCB (que é a placa eletrônica sem os componentes). Devido ao crescimento do uso do USB e da possibilidade de alimentar a placa diretamente através do cabo de comunicação, foi criada a placa Arduino USB, a primeira placa a sair com o nome Arduino.

Tipos de placas

Mas, a história do Arduino não parou por aí. A família cresceu e hoje ela é composta de outras placas com características variadas para atender aos mais diversos propósitos. O modelo mais utilizado atualmente é o Arduino UNO – lançado em 2010 juntamente com a famosa logo. A placa Arduino UNO é a mais recomendada para quem quer iniciar na plataforma.

Exemplos de placas Arduino e similares.

Essas placas são baseadas em um microcontrolador, que é responsável por armazenar e processar as coisas. Para a conexão dos sensores e atuadores, as placas contam com três tipos básicos de portas: as analógicas, que são comumente usadas como entrada para a conexão dos sensores, e as digitais, que podem ser programadas tanto como entrada quanto saída, possibilitando a conexão dos atuadores, como leds e buzzers, e alguns sensores, como o ultrassônico. Além disso, temos também as portas de energia para alimentar o nosso circuito.

As placas Arduino podem ser programadas pelo computador e possibilitam a construção de projetos com quase qualquer tipo de componente eletrônico. Alguns exemplos de projetos que podem ser construídos são: um semáforo de leds, um sistema para ligar lâmpadas pela internet, um robô seguidor de linhas e uma infinidade de outras coisas que só dependem da sua criatividade.

Exemplo de projeto com Arduino: robô aranha.

O mais interessante dessas plaquinhas é que elas são open source, o que significa que qualquer pessoa ou empresa pode modificar o projeto e fabricar livremente, sem problema algum. Com certeza, essa característica foi determinante para a popularização do projeto.

Colocando em prática

E agora, para ficar mais prático, vamos colocar a mão na massa. Aqui nós temos um circuito bem simples apenas com um led para exemplificar:

Após isso estar montado, nós precisamos programar o Arduino, dando a ele os comandos que deverão ser executados com os componentes do nosso circuito.

O software oficial utilizado para programação é a Arduino IDE, um programinha gratuito e bem leve. Para conectar a placa no computador, devemos utilizar um cabo USB A/B, aqueles de impressora, que normalmente já acompanham a placa.

Essa é a estrutura básica de uma programação para Arduino e cada linha aqui tem uma função específica:

int led = 12; // Declara a porta do led

void setup() {
  pinMode(led,OUTPUT); // Define como saída a porta do led
}

void loop() {
  digitalWrite(led,HIGH); // Aciona a porta do led
}

Dentro de void setup, nós estamos dizendo para a nossa placa que a porta 12, onde o led está conectado, deverá funcionar como saída, afinal, precisamos enviar energia para o componente.

Dentro do void loop, nós inserimos os comandos que deverão ficar repetindo, em um loop. Nesse caso, precisamos mandar o nosso led ficar aceso. Para isso, nós utilizamos o comando digitalWrite, e dizemos que a porta 12 deverá ficar em HIGH. Esse comando liga a porta 12, que é onde o nosso led está conectado.

Depois de programar, é só clicar na setinha de upload. O computador irá compilar o código e baixar para a placa.

Pronto! Nosso led já está funcionando conforme foi programado.

E aí, ficou mais claro o que é essa incrível plataforma Arduino? Deixe sua opinião e dúvidas aqui nos comentários!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *